Menu


    Relatório mostra que crise brasileira aumentou a desigualdade entre ricos e pobres

    03 DEZ 2018
    03 de Dezembro de 2018
    De acordo com o relatório País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras, produzido em 2018, as pessoas mais ricas conseguiram aumentar sua renda em 2017, enquanto a renda dos mais pobres diminuiu. A pesquisa é da Oxfam Brasil, uma confederação global que atua em 94 países.

    Os dados mostram que a metade mais pobre da população teve uma redução de 3,5% dos seus rendimentos do trabalho, consequência do aumento do desemprego vivido no país. Com a média de rendimentos totais, o que inclui os benefícios sociais, houve uma queda de 1,6%. Dessa forma, a renda média da população mais pobre, em 2017, foi de R$ 787,69, menos que um salário mínimo.

    Enquanto isso, os 10% da população mais rica teve um crescimento de quase 6% em seus rendimentos do trabalho. Com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua de 2017 (PNAD Contínua), a renda média total do mais rico foi de R$ 9.519,10. Em 2016, o valor foi de R$ 9.324, 57.

    Outro problema encontrado foi a desigualdade salarial entre sexo. Enquanto em 2016 as mulheres ganhavam em média o equivalente a 72% da remuneração dos homens, em 2017 esse percentual recuou para 70%. A média salarial foi R$ 1.798,72 contra R$ 2.578,15 para os homens. Foi o primeiro recuo em 23 anos.

    É importante ressaltar que todos os cálculos foram feitos pela instituição a partir dos microdados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Com a colaboração deTainá Ferreira, reportagem, Karol Marra
     
    Voltar



    Tenha também o seu site. É grátis!